Breaking

Relatos de Uma Experiência Suicida. | Setembro Amarelo

  Era verão e naquele dia estava uma linda manhã de sol em Aracaju. O cenário de mais um dia normal onde o vai-e-vem na cidade demonstrava a alegria das pessoas que pareciam comemorar sem sequer saber o que. Mas para elas o importante era comemorar, mesmo sem saber o que. Para mim no entanto, não haviam motivos para comemorações. Apesar de ter amadurecido precocemente, aquele período  mostrou-me que o estado emocional é uma coisa, o espiritual e o psicológico são outra e que é preciso estar com saúde equilibrada nestes três pontos. Ter sido criado unicamente pela minha mãe tornou-me de certa maneira dependente da figura materna e consequente me fragilizou. Julgava-me preparado e confiante para enfrentar adversidades. Quando perdi minha mãe aos dezenove anos foi algo que jamais imaginei conseguir superar, mas consegui, pois foram seis anos de luta com ela gravemente doente e totalmente dependente de mim para tudo. Sua morte era para mim algo anunciado, teria que ocorrer mais cedo ou mais tarde e além disso, diante das fortes dores e do seu sofrimento, sua partida foi como um alívio para ela, apesar de ter sido muito difícil para mim.
  Logo após a morte de mamãe vieram os problemas financeiros, os emocionais e por fim os psicológicos que juntos, fecharam o tempo na minha mente. Daquele época em diante passei a ter crises depressivas terríveis, tornei-me antissocial e procurei isolar-me para que aqueles que estavam habituados a me ver sorrindo, não pudessem me ver chorar. Entrei e um quadro desolador e triste, olhando os problemas sem conseguir enxergar a solução para eles. Como mamãe havia me ensinado, eu costumava orar no meu quarto e pelo fato de não conseguir dormir á noite, passei então a fazer longas orações durante as madrugadas. Eu havia adquirido um respeito profundo por Deus e para mim, naquelas orações eu e Ele conversávamos longamente.
  Jamais havia me passado pela cabeça a ideia de atentar contra a minha vida ou mesmo contra a vida de outra pessoa. Jamais fui agressivo, ao contrário sempre tive uma aversão profunda a qualquer tipo de violência. Eu aprendi um senso de preservação da vida que me impedia até mesmo de atentar contra um animal que me serviria de alimento, como as galinhas por exemplo. Lembro-me que bem antes desta época, durante a minha infância, uma ocasião em que brincando com um estilingue, acertei com uma pedrada um pequeno pássaro que ficou agonizando em minhas mãos quando o recolhi. Aquilo bastou para que eu chorasse copiosamente e dali em diante nunca mais brinquei com estilingues. Então cresci desta forma, averso á violência de qualquer natureza.
  Foi durante uma madrugada de verão, eu sem sono mais uma vez, lembrando de todos os problemas que tinha e sem avistar solução alguma, decidi por aquilo que parecia impossível para mim: Cometer o suicídio. Aquela decisão fora tomada ali, naquela hora e ninguém seria avisado. Não haviam pessoas que pudessem impedir. Era eu e Deus dentro da casa. Como era madrugada todos dormiam, o que facilitaria aquela ação diabólica sem que houvesse tempo de socorro. Munido de maus pensamentos e de uma enorme faca que era usada na cozinha, ajoelhei-me no piso do quarto. Apaguei as luzes e direcionei a ponta da faca para o peito, bem ao centro. Antes que eu pudesse cometer a ação, fui mais uma vez apagar a luz que me pareceu que esqueci de fazê-lo antes. Decidi então, falar com Deus em oração e pedir-lhe perdão por aquela atitude insana. Este foi o ato que me permitiu estar aqui hoje relatando estes fatos para vocês.




  Enquanto orava e falava com Deus ali, senti que Ele me fazia perguntas a respeito da minha decisão e quis saber de mim se era realmente aquilo que eu queria ou só buscava a solução dos meus problemas. Chorei e só então fui perceber que a faca já não estava em minhas mãos. Elas estavam postas e eu chorava muito. Havia sob minhas roupas uma mistura de suor e lágrimas e assim foi durante toda a madrugada. Eu e Deus conversamos bastante intimamente, de tal maneira que eu sentia sua presença sentado ao meu lado. As luzes que eu havia apagado estavam acesas quando abri meus olhos. Imaginei que tudo estivesse escuro ainda, mas o dia já havia amanhecido. Pela manhã o meu choro já não era de tristeza ou dor, mas de alegria incontida por ter tido aquele encontro com Deus.
  Ele provou para mim que aquilo que eu mais desejava era viver e não encerrar a minha vida ali como um fraco, derrotado, um incapaz de lutar. Ele me mostrou como se luta e como se vence e de lá para cá tem sido uma luta após a outra e incontáveis vitórias. Muitos anos se passaram desde aquele dia e hoje eu estou aqui tendo a oportunidade de afirmar para você que Deus não te desampara, pelo contrário, quando você mais precisa, Ele dá um jeitinho de se aproximar de você assim como fez comigo e certamente Ele vai te mostrar que a vida é a sua maior riqueza e que viver vale mais que qualquer tesouro na terra, pois é vivo que você vencerá todos os problemas que tem e irá comemorar a tua vitória.

***Esta é uma história baseada em fatos reais vividos pelo próprio autor.

Esta obra está protegida por Direitos Autorais que se reservam ao autor Tony Casanova, não sendo permitido o seu uso de qualquer natureza, utilizando qualquer meio, do todo ou parte dele, sem a autorização legal do autor sob pena de infração das Leis Nacionais e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual. O desrespeito aos Direitos do autor implicará na aplicação das Sanções Legais Cabíveis nos Rigores da Legislação vigente.

Para saber mais sobre o autor acesse ESTE LINK
...........................................................................................................................................

  Reports of A Suicidal Experience. | September Yellow

  It was summer and that day was a beautiful sunny morning in Aracaju. The scene of another normal day where the back-and-forth in the city showed the joy of people who seemed to celebrate without even knowing what. But for them the important thing was to celebrate, even without knowing what. For me, however, there were no grounds for celebrations. Despite having matured early, that period showed me that the emotional state is one thing, the spiritual and the psychological are different and that one needs to be healthily balanced in these three points. Being raised solely by my mother has made me somewhat dependent on the maternal figure and consequently has weakened me. I thought I was prepared and confident to face adversity. When I lost my mother at age nineteen, it was something I never imagined I could overcome, but I succeeded because it was six years of struggle with her seriously ill and totally dependent on me for everything. Her death was for me something announced, it would have to happen sooner or later, and beyond that, in the face of the severe pain and suffering, her departure was a relief to her, though it was very difficult for me.
  Soon after my mother's death came the financial problems, the emotional problems and finally the psychological ones that together, closed the time in my mind. From that time on I began to have terrible depressive crises, I became antisocial and tried to isolate myself so that those who were accustomed to seeing me smiling could not see me crying. I entered and a bleak and sad picture, looking at the problems without being able to see the solution for them. As my mother had taught me, I used to pray in my room and because I could not sleep at night, I then made long prayers in the middle of the night. I had gained a deep respect for God and for me, in those prayers he and I talked for a long time.
  I had never thought of trying my life or even the life of another person. I have never been aggressive; on the contrary, I have always had a profound aversion to any kind of violence. I learned a sense of preservation of life that prevented me even from attacking an animal that would serve me as food, like chickens for example. I remember that well before this time, during my childhood, an occasion when playing with a sling, I hit a stone with a small bird that was dying in my hands when I picked it up. That was enough for me to cry copiously, and from then on I never played with slings again. So I grew up in this way, averse to violence of any kind.
  It was during a summer dawn, I was not sleepy again, remembering all the problems I had and without seeing any solution, I decided for what seemed impossible for me: Commit suicide. That decision had been made there at that time and no one would be warned. There were no people who could stop them. It was me and God inside the house. As it was dawn all slept, which would facilitate that diabolical action without there was time of succor. Armed with bad thoughts and a huge knife that was used in the kitchen, I knelt on the floor of the room. I turned off the lights and directed the tip of the knife to the chest, right in the center. Before I could do the action, I was once again putting out the light that it seemed to me that I forgot to do it before. I then decided to speak with God in prayer and ask His forgiveness for that insane attitude. This was the act that allowed me to be here today reporting these facts to you.
  As I prayed and spoke to God there, I felt He asked me questions about my decision and wanted to know if it was really what I wanted or just sought to solve my problems. I cried and only then did I realize that the knife was no longer in my hands. They were on and I cried a lot. There was a mixture of sweat and tears under my clothes, and it was like this all through the night. God and I talked so intimately, in such a way that I felt his presence sitting next to me. The lights I had erased were on when I opened my eyes. I imagined that everything was still dark, but the day had already dawned. In the morning my crying was no longer of sorrow or pain, but of uncontained joy at having had that encounter with God.
  He proved to me that what I most wanted was to live and not end my life there as weak, defeated, unable to fight. He showed me how to fight and how to win and from here to here has been one fight after another and countless victories. Many years have passed since that day and today I am here having the opportunity to affirm to you that God does not forsake you, on the contrary, when you need it most, He gives a way to approach you as you did with me and certainly He will to show you that life is your greatest wealth and that living is worth more than any treasure on earth, for it is alive that living is worth more than any treasure on earth, because it is alive that you will overcome all the problems you have and will celebrate your victory.

*** This is a story based on real facts lived by the author himself.

This work is protected by Copyright that is reserved to the author Tony Casanova, not being allowed its use of any nature, using any means, all or part of it, without the legal authorization of the author under penalty of violation of National and International Laws of Intellectual Property Rights. Failure to respect the rights of the author will imply the application of legal sanctions in compliance with the requirements of the current legislation.

To know more about the author go to THIS LINK

...............................................................................................................................

  Relatos de una experiencia suicida. | Septiembre Amarillo

  Era verano y en aquel día estaba una hermosa mañana de sol en Aracaju. El escenario de otro día normal donde el vaivén en la ciudad demostraba la alegría de las personas que parecían celebrar sin siquiera saber qué. Pero para ellas lo importante era conmemorar, incluso sin saber qué. Para mí, sin embargo, no había motivos para conmemoraciones. A pesar de haber madurado precozmente, ese período me mostró que el estado emocional es una cosa, lo espiritual y lo psicológico son otra y que hay que estar con salud equilibrada en estos tres puntos. El haber sido creado únicamente por mi madre me hizo de cierta manera dependiente de la figura materna y consecuentemente me debilitó. Me juzgaba preparado y confiado para enfrentar adversidades. Cuando perdí a mi madre a los diecinueve años fue algo que jamás imaginé conseguir superar, pero lo conseguí, pues fueron seis años de lucha con ella gravemente enferma y totalmente dependiente de mí para todo. Su muerte era para mí algo anunciado, tendría que ocurrir tarde o temprano y además, ante los fuertes dolores y su sufrimiento, su partida fue como un alivio para ella, a pesar de haber sido muy difícil para mí.
  Después de la muerte de mamá vinieron los problemas financieros, los emocionales y por fin los psicológicos que juntos, cerraron el tiempo en mi mente. De aquella época en adelante pasé a tener crisis depresivas terribles, me convertí en antisitocial y traté de aislarme para que aquellos que estaban acostumbrados a verme sonriendo, no pudieran verme llorar. He entrado y un cuadro desolador y triste, mirando los problemas sin poder ver la solución para ellos. Como mamá me había enseñado, yo solía orar en mi cuarto y por el hecho de no poder dormir a la noche, pasé entonces a hacer largas oraciones durante las madrugadas. Yo había adquirido un profundo respeto por Dios y para mí, en esas oraciones yo y él conversábamos largamente.
  Jamás había pasado por la cabeza la idea de atentar contra mi vida o incluso contra la vida de otra persona. Jamás fui agresivo, al contrario siempre tuve una aversión profunda a cualquier tipo de violencia. Yo aprendí un sentido de preservación de la vida que me impedía incluso de atentar contra un animal que me serviría de alimento, como las gallinas por ejemplo. Recuerdo que antes de esta época, durante mi infancia, una ocasión en que jugando con una estilingue, golpeé con una pedrada un pequeño pájaro que se agonizó en mis manos cuando lo recogí. Eso bastó para que llorara copiosamente y de allí en adelante nunca más jugué con estilingues. Entonces crecí de esta manera, aversión a la violencia de cualquier naturaleza.
  Fue durante una madrugada de verano, yo sin sueño una vez más, recordando todos los problemas que tenía y sin avistar ninguna solución, decidí por lo que parecía imposible para mí: Cometer el suicidio. Esa decisión fue tomada allí, en aquella hora y nadie sería avisado. No había personas que pudieran impedir. Era yo y Dios dentro de la casa. Como era madrugada todos dormían, lo que facilitaría aquella acción diabólica sin que hubiera tiempo de socorro. Mido de malos pensamientos y de un enorme cuchillo que se usaba en la cocina, me arrodillé en el piso de la habitación. Apagué las luces y dirigí la punta del cuchillo hacia el pecho, justo al centro. Antes de que yo pudiera cometer la acción, fui una vez más a apagar la luz que me pareció que olvidé de hacerlo antes. Decidí entonces, hablar con Dios en oración y pedirle perdón por esa actitud insana. Este fue el acto que me permitió estar aquí hoy relatando estos hechos para ustedes.
  Mientras oraba y hablaba con Dios allí, sentí que Él me hacía preguntas acerca de mi decisión y quiso saber de mí si era realmente lo que quería o sólo buscaba la solución de mis problemas. Lloré y sólo entonces fui a percibir que el cuchillo ya no estaba en mis manos. Ellas estaban puestas y yo lloraba mucho. Había bajo mis ropas una mezcla de sudor y lágrimas y así fue durante toda la madrugada. Yo y Dios conversamos bastante íntimamente, de tal manera que sentía su presencia sentado a mi lado. Las luces que había apagado estaban encendidas cuando abrí mis ojos. Imaginé que todo estaba oscuro todavía, pero el día ya había amanecido. Por la mañana mi llanto ya no era de tristeza o dolor, sino de alegría incontenida por haber tenido ese encuentro con Dios.
  Él probó para mí que lo que más deseaba era vivir y no encerrar mi vida allí como un débil, derrotado, un incapaz de luchar. Él me mostró cómo se lucha y cómo se vence y de allá para allá ha sido una lucha después de la otra e incontables victorias. Muchos años han pasado desde aquel día y hoy estoy aquí teniendo la oportunidad de afirmar para ti que Dios no te desampara, al contrario, cuando más lo necesitas, Él te da un modo de acercarte a ti así como lo hizo conmigo y ciertamente Él va demostrar que la vida es su mayor riqueza y que vivir vale más que cualquier tesoro en la tierra, pues es vivo que vivir vale más que cualquier tesoro en la tierra, pues es vivo que usted vencerá todos los problemas que tiene y conmemorará su victoria.

Esta es una historia basada en hechos reales vividos por el propio autor.

Esta obra está protegida por derechos de autor que se reservan al autor Tony Casanova, no siendo permitido su uso de cualquier naturaleza, utilizando cualquier medio, del todo o parte de él, sin la autorización legal del autor bajo pena de infracción de las Leyes Nacionales e Internacionales de Protección a los Derechos de Propiedad Intelectual. La falta de respeto a los derechos del autor implicará en la aplicación de las sanciones legales aplicables en los riegos de la legislación vigente.

Para saber más sobre el autor accede a ESTE LINK

Seguidores do Google

Busque por Tag

# Apareceu #Pelada # Livro #2016 #a menina que gostava de livros #Acreditar #Adsense #Adversidades #Agosto #Álcool #Alcoolismo #Alerta #Alimentação #alma #Amarelo #Amazon #Ambiente #Amigos #Amizades #Amor #Andrade #Anitta #anjo #AoLeitor #Aplicativo #Apoio #App #Aracaju #Arte #Artesanato #Atriz #Atualizador #Audição #Autor #Autora #Autoras #Autores #Baixo #Bem #BestSeller #Bíblia #Biblioteca Virtual #Bienal #Bigo #BigoLive #Bio-Adversidade #Bioadversidade #Blog #Blogger #Blogosfera #Blogs #Blogueira #Blogueiro #Brasil #Brasileira #Brazilian #Busca #Câncer #Capa #Caso #Castro Alves #Celebridade #Cidadania #Clube de Autores #Coelho #como #Conceitos #Configuração #conhecimento #Conotação #Conquistar #Construção #conto #convencional #Convite #coração. #Coutinho #criança. #Crianças #Críticas #Crônica #Cuidados #Cultura #Curiosidades #Cyntia Bandeira Lino #De onde vem #Definições #desenhos #Devasso #Dia dos Pais #Dicas #digital #Dinheiro #Divulgação #Divulgar #Doações #E-book #E-books #E-commerce #E-reader #Ebook #Ecommerce #Ecossistema #editoras #Educação #Ensino #Equilíbrio #Escola #Escrever #Escrita #Escritor #Escritora #Escritoraluziacouto #Ética #Explicação #Expressão #ExtraTerrestres #Fabia #Facebook #Fala #Falência #Falhas #Família #Famílias #Feed #FeedBurner #Felicidade #Figura #Fim #folha #Força #Forma #Formação #Formas #Formatos #futuro #GACC #Ganhar #Globo #Google #Gospel #Grátis #Guerra #Harry #Hellen #História #Homenagem #Humanas #Humor #Igualdade #Importância #Impresso #Indivíduo #Infantil #Inspiração #Instagram #Internacional # Livro #Internet #Ito #Jesuína #Lançamento #Larissa #Leis #Leitor #Leitora #Leitura #Ler #Linguagem #Literatura #Live #Livraria Virtual #Livrarias #livro #Livros #Lua #Luzia Couto #Mal #Marcia Pimentel #Márcia Pimentel #Maria #MariaOliveira #Meditação #Meio-Ambiente #Melhor #Melhorar #Mensagem #Metodologia #Mineira #Minha História #Monetização #Moral #mulher #Música #Narração #Natal #Novidade #Novidades #Nudez #o conhecimento #O que tem hoje #O que tem hoje Marcia? #Objetivos #Oferta #Oliveira #Onde divulgar meus livros #onde? #online #Opinião #Oportunidade #Pagamentos #Pagar #palavras #Paola #Paradigmas #Paulo #Perigos #piano. #Planejamento #Planeta #Poderosa #Poema #Poesia #Polícia #Potter #Preço #Problemas #Procura #Profissão #Promoção #prosa #publicar #Quem é #Real #RedesSociais #Reflexão #Relações #Relações Instáveis #Relato #Release #Resenha #Respeito #Responsabilidade #Resumo #Riso #Rivanda #Romance. #Tony Casanova #Rui Barbosa #Saiba como #Saiba mais #São Paulo #Saraiva #saudade. #seca #Segurança #sementes #Séries #Setembro #significados #Singapura #Site #Skoob #Sobrenatural #Sociedade #Solidão #Sonhos #sonhosdecriança #Sorteio #Stream #Streaming #Sucesso #Suicida #Suicídio #Televisão #Terra #Terror #texto #Tony Casanova #TopBeless #Tradições #Tutorial #TV #Twitter #Uso #Valor #verso #Vícios #Vida #Video #Vídeo #Virtual #Visão #Vulcão #YouTube Autores Bíblico Brasileiro Cadastro Casanova Celebridade Deus Ebook Emma Escolha Escritor Escritores Figueiredo Grátis Homem Homenageada Indonésia Internet Jacarta Justiça Kurnia Literatura Livro Mães Marcia? Nadja Noivas Onde posso Presentes prosa. Referências texto Tony verso Vídeo